Civilização Inca | 1000 aC a 1500 dC


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


Civilização Inca | 1000 aC a 1500 dC

Conta a lenda, que certo dia, numa ilha do lago Titicaca, nos Andes, apareceu um casal de deuses, filhos do Sol.

Tinham uma tarefa a cumprir: ensinar aos homens os princípios da civilização.

O Sol dera-lhes uma varinha de ouro e no lugar onde ela afundasse, ao ser fincada, os deuses deviam fixar-se para sempre.

Partiram então Manco Capac e Mama Ocllo, o casal divino, e dia após dia percorreram as terras, batendo no chão com a varinha mágica.

Finalmente, junto à colina de Huanacauri, a varinha afundou e ali os deuses se estabeleceram.

Ensinaram os habitantes do lugar a cultivar a terra, tecer fibras, construir casas; transmitiram- lhes as leis da guerra e o culto ao Sol.

E fundaram a cidade de Cuzco.

Essa lenda conta a origem de um dos mais extraordinários impérios pré-colombianos que existiu por 500 anos ou mais, até ser destruído pelos conquistadores espanhóis em 1531.

Admite-se hoje que a história dessa antiga civilização sul americana tenha começado por volta do século XI, quando alguns grupos de índios quíchuas, vindos do norte da região que é o hoje o Peru, instalaram-se no sul, formando a cidade de Cuzco.

Pouco a pouco, estenderam seu domínio sobre outras tribos, até ocuparem todo o território, que compreende hoje o Peru, o Equador, parte da Bolívia e norte do Chile.

A palavra inca, ao contrário do que se imagina, não desgina um povo ou uma cultura, é o nome pelo qual os quíchuas chamavam seus reis ou imperadores.

E, como o poder político, administrativo e econômico ficava concentrado nas mãos do imperador e seus familiares, é natural que a palavra inca terminasse por englobar tubo o que se referia à essa poderosa civilização.

O imperador – Sapay Inca, ou seja, Único Inca, tido pelos quíchuas como filhos do Sol – era tratado, em vida, como um semideus, e, após sua morte, como um deus.

Raramente sua face era vista por alguém que não fizesse parte do círculo íntimo de sua corte.

As pessoas deviam descalçar-se em sua presença e seus alimentos eram servidos por uma das concubinas de seu vasto harém.

E tudo que ele tocasse virava tabu – ninguém mais poderia mexer. Depois de morto, o imperador tinha seu corpo embalsamado e ressecado ao sol.

Depois, era vestido com as roupas mais suntuosas e enrolado em peças de fino tecido.

Não o enterravam: feito múmia, era guardado no palácio em que vivera.

O cerimonial fúnebre tinha aspecto macabro: suas mulheres e seus servos o acompanhavam na morte.

Eram estrangulados num ritual solene. O que costumava criar problemas era a sucessão imperial.

O herdeiro ao trono não era necessariamente o filho mais velho, pois, como todos os filhos tinham o "sangue sagrado", o direito de progenitura não contava entre os quíchuas.

Geralmente, ao sentir o envelhecimento e a aproximação da morte, o imperador escolhia, entre os filhos da coya – principal esposa, sempre sua irmã -, aquele que ocuparia seu lugar.

Para evitar perturbação política, a notícia do falecimento do imperador só era divulgada ao povo quando os filhos e parentes já houvessem escolhido o sucessor.

Os incas construíram uma excelente rede de estradas: cerca de 60 mil quilômetros.

Uma delas, no litoral, com a notável extensão de 4.000 quilômetros e era suficientemente larga para permitir a passagem de 8 cavaleiros, lado a lado.

Sobre muitos rios, fizeram pontes suspensas por três cabos, capazes de suportar grandes pesos. O sistema de comunicações era muito bom e todas as cidades possuíam um quadro de mensageiros que levavam as notícias importantes com uma rapidez impressionante: em cinco dias, uma informação atravessava cerca de 2 mil quilômetros – Quito a Cuzco.



Fonte:
http://br.geocities.com/culturauniversalonline/acontecimentos_2.htm




Leia também! Assuntos relevantes.

Civilização Grega | Os Tempos Homéricos | 1000 aC a 1aC
A Grécia é uma península ao sul da Europa, no Mediterrâneo. Muito antes do século IV a.C. – quando Alexandre Magno conquistou um vasto império, chegan...

Transição da Idade Média para Idade Moderna
Transição da Idade Média(feudalismo) para a Idade Moderna(Capitalismo) Pode se dizer que a Baixa Id. Média foi um período de transição do Feudalismo ...

Cidadania na Grécia Antiga
Na Grécia Antiga, o conceito de cidadania estava relacionado a uma minoria da população. Nessa época, só eram considerados cidadãos os homens com mais...

Civilização Romana | O Império | 27 aC a 476 dC
Com o advento do Império, em 27 a.C., reorganizou-se a estrutura política romana, concentrando-se toda a autoridade nas mãos do imperador. Esse úl...

Civilização Maia | 1000 aC a 1500 dC
Os espanhóis que em 1519 chegaram à região do atual México, não puderam esconder seu espanto diante do que viram. Naquela época, muitas histórias ...

Civilização Grega | Os Tempos Clássicos | 1000 aC a 1aC
Enquanto Atenas fortalecia sua estrutura democrática, os persas, que já eram senhores de grandes domínios no Oriente, avançavam em direção ao oeste. S...

Civilização Asteca | 1000 aC a 1500 dC
Até o início do século XIV, os astecas não passavam de um povo nômade. Vindos do Norte como guerreiros mercenários, instalaram-se no planalto de A...

Civilização Grega | O Período Helenístico | 1000 aC a 1aC
Enquanto as cidades gregas entravam em decadência, provocada pelas contínuas guerras entre si, os macedônios, até então isolados, fortaleciam-se e ini...

Civilização Egéia
Até 1870, muito se duvidava do fato de ter havido uma civilização avançada desenvolvida nas Ilhas Egéias e nas costas da Ásia Menor muitas centenas de...

Fale Conosco | Feed / RSS | Google + | Twitter |

Novos assuntos sobre educação no seu e-mail

Site destinado a educação, estudos, informação e pesquisa escolar. Não incentivamos a prática de trabalhos escolares prontos.

Somos um veículo de comunicação. Não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.

Cópia ou reprodução de conteúdo somente se citada a fonte.

© 2015 - Grupo Escolar - Todos direitos reservados