Autores Simbolismo


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


Autores Simbolismo

26/06/2008

O Simbolismo foi uma escola literária de poetas, que tinham colegas por todo mundo como o francês Charles Baudelaire, mas tinham pouco reconhecimento e aceitação artística. Vários de seus integrantes morreram pobres, não tiveram obras publicadas e permaneceram ou permanecem esquecido até hoje. As poesias simbolistas tinham alta musicalidade e usavam muitos elementos simbólicos.



Cruz e Sousa
Filho de ex-escravos, foi criado por um Marechal e sua esposa como um filho que nunca tiveram. João da Cruz e Sousa (1861-1898) estudou na melhor escola da região, casou-se e teve quatro filhos. Infelizmente, dois deles morreram e sua esposa enlouqueceu. Perseguido a vida inteira por ser negro, culminando com o fato de ter sido proibido de assumir um cargo de juiz só por isso, morre jovem de tuberculose, vítima da pobreza e do preconceito. Uma de suas obsessões era cor branca, como mostra a passagem a seguir.
"Ó Formas alvas, brancas, Formas claras
de luares, de neves, de neblinas!...
Ó Formas vagas, fluidas, cristalinas...
Incenso dos turíbulos das aras..."



Alphonsus Guimaraens
Afonso Henrique da Costa Guimarães (1870-1921) teve uma juventude boêmia e dândi, mas abandonou-a pelo estudo da Engenharia, que abandonou pelo Direito. Jornalista e magistrado, foi morar em Mariana, de onde raramente saiu até morrer. Seus versos tinham musicalidade e sutileza para a atmosfera religiosa que inspiravam, como mostra a passagem a seguir.
"O céu é todo trevas: o vento uiva.
Do relâmpago a cabeleira ruiva
Vem açoitar o rosto meu.
E a catedral ebúrnea do meu sonho
Afunda-se no caos do céu medonho
Como um astro que já morreu."



Emiliano Perneta
David Emiliano Perneta (1866-1921) nasceu e morreu em Curitiba. Formou-se advogado pela Universidade de São Paulo. Além de ter sido jornalista, advogado e professor de português, Perneta foi um dos fundadores do clube republicano de Curitiba e publicou, em livros, jornais e revistas, poesia e prosa poética simbolista.



Pedro Kilkerry
Pedro Militão Kilkerry (1885-1917) foi um dos vários poetas simbolistas quase anônimos. Pobre e boêmio, morreu tuberculoso em Salvador e sua obra só entrou em evidência em 1970, com ReVisão de Kilkerry. Sua poesia era forte e desconcertante, sendo uma das melhores do Simbolismo brasileiro. Observe a passagem que se segue.
"Primavera! - versos, vinhos...
Nós, primaveras em flor.
E ai! Corações, cavaquinhos
Com quatro cordas de Amor!"





Saiba mais

Buscas relacionadas a Autores Simbolismo em Artes.

[ Pesquisa escolar lida 39566 Vezes - Categoria: Artes ]


Leia também! Assuntos relevantes.

Simbolismo
O Simbolismo, movimento literário que antecedeu a Primeira Guerra Mundial (1913-1918), surge como reação às correntes materialistas e cientificistas d...
Lido: 34208 Vezes

Estão lendo agora:

Principais grupos terroristas em atividade no mundo
Alguns grupos de terroristas atuam em nosso planeta. Cada um...
Lido às 5:40:15 - 29/07/2014
Conjunções Subordinativas
1. Classificação As conjunções subordinativas classificam...
Lido às 5:40:12 - 29/07/2014
Animais que comecem com a letra y
No português, o Y é uma letra que apresenta o mesmo som do I...
Lido às 5:40:10 - 29/07/2014
Astecas
A data de 1168 é tida como aquela em que os Astecas, uma p...
Lido às 5:40:09 - 29/07/2014
Eletroquímica
Quando se aciona o interruptor de um aparelho movido a pilha...
Lido às 5:40:08 - 29/07/2014
Geografia no Brasil
A Geografia no Brasil, é o desenvolvimento histórico que tiv...
Lido às 5:40:08 - 29/07/2014

Sugestão de Busca Escolar

Sites

Encceja
Enem
SISU
Prouni
Paixão e Amor
Curiosidades
Relacionamento

Fale Conosco
Feed / RSS

Comunidade no Google +
Comunidade no Twitter


Novidades no seu e-mail

Estudantes Online
Sobre o Grupo Escolar

GrupoEscolar.com - Todos direitos reservados

Todo o conteúdo do site é retirado da internet e/ou enviado pelos estudantes.

Caso algum conteúdo infrinja direitos autorais entre em contato que adicionaremos crédito ou retiraremos o mesmo.

As opiniões expressas nos textos são de responsabilidade dos seus autores.

Somos apenas um veículo de comunicação e não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.