Arábia Saudita


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


Arábia Saudita

Por Rafael Santos

A custódia das cidades sagradas de Meca e Medina e o controle das maiores reservas de petróleo conhecidas garantem a importância da Arábia Saudita no mundo islâmico e no conjunto das nações contemporâneas.

Situado no sudoeste da Ásia, o reino da Arábia Saudita ocupa oitenta por cento do território da península arábica. Limita-se ao norte com a Jordânia, o Iraque e o Kuwait; ao sul, com o Iêmen e Omã; a oeste com o mar Vermelho e a leste com o golfo Pérsico, Bahrein, Qatar e Emirados Árabes Unidos. Algumas das fronteiras terrestres não estão delimitadas com precisão. A superfície estimada é de 2.240.000km2.



Geografia física
Geologia e relevo. A topografia saudita é dominada pelo planalto arábico, com 500 a 1000m de altitude, que ocupa mais da metade do país. O planalto é uma antiga plataforma separada do continente africano na era cenozóica, em conseqüência do afundamento da fossa tectônica do mar Vermelho. As fraturas geológicas ocorridas nesse período formaram, além do mar Vermelho, o golfo de Aqaba, o mar Morto e o golfo Pérsico. Essa linha de falhas mal soldadas, submetida a intenso vulcanismo, deu origem ao arco montanhoso do litoral oeste.

A principal característica da geografia saudita é a condição desértica de quase todo o território: ao norte está o deserto de Nafud; a leste, o de Dahna e ao sul e sudeste, o Rub al Khali.

No mar Vermelho encontram-se numerosas ilhas e recifes de coral, particularmente o banco Farsan, ao longo da costa, que tem uma extensão de 480km. No golfo Pérsico existem também várias ilhas, cuja posse é disputada pela Arábia Saudita, pelo Kuwait, pelo Irã e pelo emirado de Abu Dhabi.

Clima e hidrografia. Intenso calor no verão, extrema variação diurna da temperatura, escassas chuvas e reduzida umidade caracterizam o clima do país, que no inverno apresenta temperaturas amenas na região montanhosa. A vegetação desértica é predominante. As tamareiras caracterizam a paisagem dos oásis. Não existem florestas e as ervas e flores silvestres que crescem após as chuvas são a base da alimentação de camelos e ovelhas.

A Arábia Saudita carece de rios, apesar da extensão de seu território. Existem apenas cursos intermitentes de água, denominados ueds; nascentes, na região oriental; e reservatórios artesianos no planalto central.



População
A maioria da população da Arábia Saudita é árabe, mas há minorias indianas, iranianas e negras. Grande número de imigrantes estrangeiros, procedentes do Iêmen, dos países do golfo Pérsico, do Egito, da Coréia do Sul, da Europa e dos Estados Unidos, trabalha nas refinarias de petróleo.

Cerca de 15% da população é formada por beduínos nômades ou seminômades, mas essa proporção tende a diminuir em função do desenvolvimento agrícola e do surgimento de novas atividades ligadas à indústria do petróleo.

Há cidades antigas, como Djeda, Medina e Meca, capital espiritual do islamismo. Riyad, a capital política, é moderna, embora conserve traços antigos. A língua oficial é o árabe, e a religião, o islamismo, sendo proibida a entrada de não-muçulmanos nas cidades sagradas de Meca e Medina. A afluência anual de peregrinos é de 100.000 a 500.000, o que faz do turismo a segunda fonte de renda do país. (Para dados demográficos, ver DATAPÉDIA.)



Economia
O comércio exterior se baseia na exportação de petróleo, cujo valor supera largamente o da importação de insumos e alimentos. Disso decorre um excessivo superávit da balança de pagamentos. O descompasso entre o progresso tecnológico e a modernização econômica, de um lado, e a sociedade tradicional, dominada pela ortodoxia religiosa, de outro, é um dos principais problemas que a Arábia Saudita enfrentou desde que se tornou uma rica nação petrolífera.

Agricultura e pecuária. Devido ao clima desértico, a superfície cultivável não ultrapassa 2,5% do total do território saudita. Mesmo assim, o uso intensivo de maquinaria agrícola, fertilizantes e sistemas de irrigação canaliza para a agricultura a maior parte da população economicamente ativa. Os lucros obtidos com o petróleo permitiram a instalação de estações agrícolas experimentais, onde são testados os mais modernos métodos de cultivo.

As principais regiões agrícolas são Tihama, Hasa e os oásis. O principal produto agrícola de exportação é a tâmara, consumida como alimento básico em muitos países árabes. A madeira e folhas da tamareira são usadas na construção de cabanas. As culturas mais importantes, além da tâmara, são de milhete, algodão, milho, tabaco e café e, nos oásis, melões, figos e bananas.

Cerca de sessenta por cento da área total do país é usada por beduínos nômades como pastagens de ovelhas, camelos e cabras. O governo instituiu cooperativas para facilitar a comercialização dos produtos agropecuários. Os rebanhos de camelos fornecem carne, leite, couro para roupas e tendas, transporte para os beduínos e seus alimentos e para a água retirada de poços. A carne de carneiro é o principal alimento de origem animal e o leite de cabra, o mais utilizado. Cria-se gado bovino em Asir e nas proximidades de Djeda.

Mineração e petróleo. No subsolo da Arábia Saudita existem depósitos de ferro, prata e cobre, mas a atividade preponderante, que condiciona toda a economia, é a exploração das jazidas petrolíferas. Na década de 1980, o país chegou a terceiro produtor mundial e primeiro exportador.

As primeiras jazidas foram encontradas em 1938, e desde então a exploração e comercialização do óleo se fez mediante concessões a empresas americanas, que se associaram na Arabian American Oil Company (Aramco). Durante alguns anos a economia saudita esteve subordinada àquela associação, mas o governo reduziu progressivamente a dependência exclusiva, outorgando concessões a empresas japonesas e européias. O próprio estado saudita passou a financiar prospecções e, no final do século XX, controlava sessenta por cento da Aramco.

A partir da década de 1960, o governo saudita promoveu o desenvolvimento da indústria petrolífera, com aproveitamento da tecnologia das empresas multinacionais.

Indústria e transportes. Os setores industriais mais importantes são os de transformação do petróleo (refino, petroquímicos e fertilizantes). Há também fábricas de cimento, gesso e produtos metalúrgicos que alimentam a construção civil e obras públicas. Voltadas exclusivamente para o mercado interno, há indústrias de tecidos, móveis e produtos de couro.

O transporte rodoviário desenvolveu-se bastante a partir da década de 1960 e prosseguiu em expansão. As linhas ferroviárias mais importantes ligam Medina a Damasco, na Síria, e Riyad ao porto de Damman, no golfo Pérsico. O transporte marítimo é a principal via de comércio com o resto do mundo e cresceu muito em função da exportação do petróleo. Existem cinco portos principais -- Djeda, Damman, Yanbu, Jubail e Jizan -- e 16 portos secundários. Há três aeroportos internacionais. (Para dados econômicos, ver DATAPÉDIA.)



História
As origens do estado saudita remontam ao século XVIII, quando a península arábica se encontrava fragmentada em pequenos reinos e emirados dominados pelos otomanos. No final do século surgiu o movimento reformador wahabita, cujos partidários defendiam a ortodoxia religiosa e a união política da Arábia. Os wahabitas, liderados por Mohamed ibn Saud, conquistaram o poder em Najd e logo em Hedjaz e Hasa. A expansão foi detida em 1814 por ação militar do vice-rei do Egito, que agia em nome do sultão otomano.

No século XX, um descendente de Saud, Abd al-Aziz ibn Saud, reconquistou os antigos domínios de Najd, Hasa, Meca e Hedjaz e proclamou-se rei. Estabeleceu um governo patriarcal e teocrático, organizou as tribos beduínas e modernizou o exército. Para governar a turbulenta região de Hedjaz designou seu filho, Faiçal.

Em 1923, Saud decretou a criação do Reino da Arábia Saudita, no qual se unificavam Najd e Hedjaz, além dos emirados de Asir, Hasa e Nairan. Nos dois anos seguintes foram fixadas as fronteiras com a Jordânia e o Iêmen. Com a descoberta do petróleo, Saud tornou-se, além de soberano independente, um dos homens mais ricos do mundo, pois lhe cabiam cinqüenta por cento da receita do petróleo.

Durante a segunda guerra mundial, a Arábia Saudita manteve-se neutra, embora favorável aos aliados. Saud contribuiu para a criação da Liga Árabe e, em 1948, participou da primeira guerra árabe-israelense.

Saud morreu em 1953 e assumiu o trono seu filho, também Saud, que deu continuidade à política conservadora de seu antecessor e transferiu o poder executivo ao irmão, Faiçal, durante vários períodos. Faiçal, mais progressista, promulgou em 1958 uma constituição, que nunca foi aplicada, e aboliu a escravidão em 1962. Depois de um golpe palaciano que derrubou Saud, Faiçal foi coroado rei em 1964. No ano seguinte, entrou em conflito com o Egito, que apoiava os republicanos iemenitas, enquanto a Arábia Saudita apoiava os monarquistas, mas um acordo pôs fim às divergências.

A política de Faiçal obedeceu a três linhas gerais: a modernização do país sem abandono da ortodoxia religiosa; o fortalecimento da aliança militar com os Estados Unidos, cujo governo pretendia consolidar o controle sobre o Oriente Médio por meio de uma aliança com um país moderado; e o apoio a um movimento de união entre os países árabes.

A Arábia Saudita interveio nas guerras árabes- israelenses de 1967 e 1973 e liderou o boicote dos países produtores de petróleo aos estados que apoiaram Israel. Em 1975, Faiçal foi assassinado e seus sucessores, Khaled ibn Abdul Aziz e Fahd, este coroado em 1982, adotaram uma política conservadora pró-Ocidente.

Em 1990, quando o exército iraquiano invadiu o Kuwait, o governo saudita solicitou a ajuda internacional para se proteger de uma possível expansão do Iraque e cedeu seu território à coalizão de forças lideradas pelos Estados Unidos.



Instituições políticas
A Arábia Saudita é um reino de caráter absolutista e teocrático. A ordem do estado se baseia na lei religiosa do Islã (charia), base do direito civil e penal. O rei concentra os poderes executivo, legislativo e judiciário e sua autoridade se estende ao campo religioso, pois o monarca é também o imã (chefe religioso). Um conselho consultivo, formado pelo conselho de ministros e pela família real, mais os ulamas (sábios religiosos) assessoram o rei em suas decisões políticas. A lei islâmica é não só um sistema legal mas um código completo de comportamento, que engloba atividades públicas e privadas. O rei nomeia o conselho de ministros, que ele mesmo preside, exercendo assim a função de primeiro-ministro.

A nação se divide, administrativamente, em grandes províncias, das quais as mais importantes são Najd (ou Nejd), que inclui a maior parte do interior e a capital; Hedjaz, que se estende ao longo do mar Vermelho e inclui as cidades santas de Meca e Medina e o principal porto do país, Djeda; Asir, no sudoeste; e a província Oriental, ao longo do golfo Pérsico, onde se localizam os principais poços petrolíferos.



Sociedade e cultura
A sociedade saudita conserva até a atualidade a tradicional divisão em nômades, aldeões e habitantes das cidades, dentro de uma estrutura tribal comum, baseada na linhagem patrilinear. Apesar disso, a modernização econômica e a urbanização decorrentes da exploração do petróleo trouxeram importantes mudanças para a composição social e as formas de vida do povo saudita.

A riqueza advinda do petróleo permitiu o estabelecimento de um sistema educativo gratuito em todos os níveis. Os índices de analfabetismo, tradicionalmente altos, diminuíram de modo significativo. A primeira universidade foi fundada na capital, em 1957; na década de 1960, instalaram-se outras em Djeda e em Medina. Foi implantado um sistema de saúde com hospitais e serviços médicos móveis para atender à população aldeã e nômade. Criaram-se também postos de educação sanitária.

A tradição nômade e islâmica do povo saudita determina toda a atividade cultural do país, fechado a influências externas. Os estudos religiosos, baseados na ortodoxia wahabita, são a base da atividade intelectual. O wahabismo proíbe espetáculos públicos, mas as mudanças econômicas e sociais favoreceram a divulgação de novas idéias e manifestações artísticas.





Saiba mais

Buscas relacionadas a Arábia Saudita em Geografia.


[ Pesquisa escolar lida 21346 Vezes - Categoria: Geografia ]


Leia também! Assuntos relevantes.

A guerra da Indochina
A guerra da Indochina foi uma das mais longas e violentas lutas de libertação de povos asiáticos, relativamente a potências coloniais. Em 1953, os fra...
Lido: 28834 Vezes

A Guerra da Coreia
A Guerra da Coreia aconteceu entre os anos de 1950 e 1953. Trata-se de um conflito armado entre Coreia do Sul e Coreia do Norte. Este foi o maior c...
Lido: 5668 Vezes

Guerra de Canudos
A Guerra de Canudos aconteceu no nordeste brasileiro no final do século XIX, mais precisamente entre os anos de 1896 e 1897. Nessa época, o nordeste d...
Lido: 6578 Vezes

Guerra no Congo
O Congo, colónia belga, era um enorme território com numerosas tribos e grupos étnicos, que após aceder à independência, em 1960, se viu confrontado c...
Lido: 10403 Vezes

Energia Mecânica
Você pode transformar a energia, de um tipo em outro, mas nunca poderá criar ou destruir energia. Esta é a lei da conservação da energia. Suponha q...
Lido: 24224 Vezes

Petróleo, uma caixa preta
Por Rodnei Vecchia. Nove em dez vezes o dinheiro do petróleo é um dinheiro maldito. Ignacy Sachs O Brasil apresenta-se mundialmente como detent...
Lido: 3167 Vezes

A expansão do Imperialismo na África e Ásia
O Imperialismo foi uma estratégia política que esteve presente no século XIX em várias regiões do planeta, entre elas na África e na Ásia. Essa foi um...
Lido: 938 Vezes

Objetos começa com a letra i
No português, temos uma vasta gama de objetos que começam com a letra I. Confira a lista ampla de palavras com i e amplie seu vocabulário. Objetos ...
Lido: 1145 Vezes

Guerra dos Seis Dias
A Guerra dos Seis Dias aconteceu em junho de 1967, quando Israel invadiu a Faixa de Gaza, a península do Sinai no Egito, a Cisjordânia e as colinas de...
Lido: 6425 Vezes

A Guerra dos Emboabas - 1708
Inúmeros portugueses ,da metrópole ou da própria colônia, tão logo souberam da descoberta do ouro, dirigiram-se para o local das jazidas com intenção ...
Lido: 19266 Vezes

Sugestão de Busca Escolar

Sites

Encceja
Enem
SISU
Prouni
FIES
Relacionamento

Fale Conosco
Feed / RSS

Comunidade no Google +
Comunidade no Twitter


Novidades no seu e-mail

Estudantes Online
Sobre o Grupo Escolar

GrupoEscolar.com - Todos direitos reservados

Todo o conteúdo do site é retirado da internet e/ou enviado pelos estudantes.

Caso algum conteúdo infrinja direitos autorais entre em contato que adicionaremos crédito ou retiraremos o mesmo.

As opiniões expressas nos textos são de responsabilidade dos seus autores.

Somos apenas um veículo de comunicação e não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.