Amazônia


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


Amazônia

Amazônia
Primeiras expedições
"Do abismo viu o profundo
do profundo o paraíso
do paraíso viu o mundo
e do mundo viu o que quis"
Gil Vicente, 1539

As primeiras notícias que os espanhóis tiveram da existência de uma imensa região de selvas existentes depois dos Andes, foi-lhes dada pelos próprios nativos em Quito e em Cuzco. Graças a sua fantasia de homens medievais, os conquistadores imaginaram logo que a floresta abrigava o El Dorado, uma serra repleta de ouro puro. Bastava chegar lá e carregar o que pudessem. É certo que o grande rio já era conhecido desde que Vicente Pinzón navegou na sua foz, em 1500, chamando-o de Mar Dulce, mas quem primeiro organizou uma expedição partindo de Quito foi Gonzalo Pizarro, irmão do conquistador do Peru.

Partindo de Quito, em 1541, numa expedição com 150 soldados, 4 mil índios e 3 mil animais de tropa, inclusive com alpacas e lhamas, Gonzalo consegui transpassar os Andes por dificílimos caminhos chegando às cabeceiras do Rio Amazonas. As dificuldades encontradas fizeram com que destacasse, num barco lá mesmo construído, a que Francisco Orellana desse prosseguimento ao projeto. A exploração teve seguimento até que atingiu a desembocadura do grande rio no Atlântico, em 1542, depois de ter percorrido seus 5.825 km.

Deve-se a Orellana sua denominação. Deparando-se, nas margens do rio, com um grupo belicosas índias que acompanhavam os homens em combate, chamou-as de amazonas, confundindo-as com as antigas guerreiras da mitologia grega. Ao retornar à Espanha, Orellana conseguiu ser nomeado adelantado, organizando uma nova sortida que o levou ao naufrágio e morte a bordo de um bergantim , provavelmente nas proximidade de Macapá, em 1550.

O feito de navegação de Orellana repetiu-se depois, em 1561, por Lopo de Aguirre, um celerado e doido que assassinou Pedro de Ursua, o chefe da expedição, aceitando ser o rei dos seus seguidores, os marañones.



Fixação e primeiras missões
Esta incorporação definitiva do Amazonas ao Brasil fez-se com as "jornadas" dos capitães, com as "entradas" dos colonos, e com a "catequese" dos missionários. Tríplice elemento, oficial, particular, religioso, este simultaneamente particular e oficial, interdependentes, todos três, e nem sempre concordes." - Serafim leite, S.J. - História da Companhia de Jesus no Brasil, Tomo III, 1943

Não demorou muito para que outros desbravadores viessem instalar feitorias na região amazônica, preferencialmente na embocadura do grande rio e circunvizinhanças. A presença dos heréticos ingleses e holandeses nas Guianas seguiu-se pela dos franceses no Golfão do Maranhão, onde fundaram o forte de São Luís em 1612. As autoridades do Reino Unido (entre 1580-1640, Espanha e Portugal estavam sob o mesmo governo), decidiram-se expulsar os franceses de São Luís e fixar-se em definitivo no estuário amazônico.

A cidade caiu em mãos portuguesas em 1615 e, no ano seguinte, em 16 de janeiro de 1616, o capitão-mor Caldeira Castelo Branco fundou, na região que denominou de Lusitânia Feliz, o Forte Presépio de Belém, a casa forte que deu origem a capital do Pará. Cidade essa, na baia de Guará, que se tornou na sentinela da embocadura do Grande Rio e no trampolim para a conquista da hinterlândia amazonense.

Uma longa guerra - comercial e ideológica - travou-se na região até que em 1697 afirmaram-se mais ou menos a fronteira entre os interesses holandeses, ingleses e franceses de um lado, do lado das Guianas, e os lusitanos do outro, do lado do Amapá, tendo o cabo Orange, no Rio Oiapoque como o acidente divisor. O acordo celebrado no tratado de Lisboa de 1701. As portas do Amazonas, desde então, abriam-se exclusivamente aos navegantes portugueses. Em 1639 o capitão Pedro Teixeira, partindo do Rio Tocantins, atingiu a extremidade da sua investida no Rio Napo, seguindo dali até Quito, no Equador. Paralelo aos capitães e desbravadores privados, assentaram-se as missões de jesuítas, franciscanos, mercedários, carmelitas e seculares, que se espalharam pelas vastas áreas entre o Rio Solimões e o Tapajós. Os missionários foram convocados para catequizar os gentios e também evitar a possível influência dos hereges protestantes. A orientação das ordens religiosas, por lá já encontradas em 1570, era que aldeassem os nativos, geralmente dispersos em amplos territórios e divididos entre as nações tupinambás, urubus, gamelas, timbiras, apinajés, jurunas, caiapós, carajás, aimorés, munducurus, tapajós, aruaques, turumás, murás, jurimaguás, omáquas, manaus, barés e ianomâmis, para melhor evangelizá-los.

Quase que imediatamente iniciou-se um conflito entre as tropas de resgate (*) chefiadas por mamelucos escravagistas e os padres, que se estendeu por mais de século, na luta pelo braço indígena. Os religiosos desejavam-nos orando a Deus e a Cristo, os colonos queriam-nos no eito, suando sobre a lavoura e a extração. Os sacerdotes, mais influentes, conseguiram uma série de decretos, provisões, leis e alvarás reais atribuindo-lhes autoridade sobre os nativos e proibindo sua escravidão, tal como a lei de 30 de julho de 1609, que determinava que "fossem os índios tratados como pessoas livres, sem serem constrangidos a executar serviços contra a vontade", desde que lhes divulgassem a fé. O que, obviamente, poucas vezes foi obedecida. Como defensor da causa dos gentios destacou-se o Pe. Antônio Vieira, o grande sermonista, que desembarcou no Maranhão em 1653, a quem logo os nativos chamaram de paiacu, o grande pai.

(*) O resgate era um sofisma utilizado pelos escravagistas, tal como a guerra justa, que justificava o apresamento dos índios que se encontravam cativos em mãos de tribos inimigas. Desta forma as bandeiras os "resgatavam" de sofrerem possíveis tormentos levando-os como escravos.


Ocupação e administração
Em 1640 Portugal recuperou a independência e a Espanha voltou a ser adversária. Isso fez com que novos fortins fossem instalados nas margens do Solimões e nos encontros dos rios, como o forte de São José do Rio Negro, em 1699, onde bem mais tarde, nas suas proximidades, surgiu Manaus. Esse período foi marcado pela penetração extrativista e coletora atrás das "drogas do sertão" e, também pela captura, por bandeirantes vindos do Sul, da mão de obra indígena tornada escrava. A resistência dos padres ao costume das repartições onde os índios eram divididos entre os reinóis, agravada pela pratica monopolista da Companhia de Comércio do Maranhão e Grão-Pará, ativada em 1682, fez com que uma revolta eclodisse no Maranhão, a rebelião - antijesuítica e antimonopolista - do senhor de engenho Manuel Beckmann, a revolta de Bequimão, que morreu executado em 1685.

Somente em 1750 pelo Tratado de Madri, Espanha e Portugal acordaram em relação às suas fronteiras. De Lisboa o Marques do Pombal, o todo-poderoso primeiro-ministro (1756-1777), enviara já o seu irmão Mendonça Furtado, em 1751, para supervisionar os negócios da companhia monopolista na Amazônia. A época do despotismo ilustrado representada por Pombal na Metrópole e seu irmão no Grão-Pará, como politicamente denominou-se a região do Amazonas, foi extremamente ativa. Os jesuítas que lá estavam desde 1607 foram expulsos em 1760. Novas lavouras foram introduzidas, como a do algodão, a do tabaco, a da cana-de-açúcar e a do café (trazido por Palheta). Lusitanizou-se o nome das cidades, abandonando-se a toponímica brasílica, e a língua portuguesa foi ensinada. "Liberou-se os silvícolas" do seus encargos nos aldeamentos, bem como um pequeno número de colonos açoritas foi distribuído entre Belém, Santarém e Ourém, para viabilizar os empreendimentos.

Administrativamente a região sofreu uma reforma: pelo ato régio de 20 de agosto de 1772, dividiu-se o antigo Estado do Grão-Pará - existente desde 1618 -, entre o Estado do Maranhão e Piauí (com capital em São Luís) e o Estado do Grão-Pará e do Rio Negro (atual estado do Amazonas, com sede em Belém). Ambos subordinados diretamente à Lisboa. A integração política da Amazônia com o resto do Brasil só deu seus primeiros passos com a instalação da Corte joanina no Rio de Janeiro em 1808, quando então as duas capitais Belém e Manaus se lhe subordinaram.


Reforma Administrativa da Amazônia (ato régio de 20.08.1772)

Lisboa
Estado do Maranhão e Piauí (capital: São Luís)
Estado do Grão-Pará e Rio Negro (capital: Belém)

Os portugueses, dentro de um rígido mercantilismo, sempre mantiveram uma política de clausura das colônias. A Amazônia não foi exceção. Nem quando o célebre naturalista alemão Alexander von Humboldt visitou a América (dele é a expressão hiléia amazônica), entre 1799-1804, permitiram que ele penetrasse no lado português da floresta. Essa política começou a ser reformada em 1808 com a vinda da família real para o Brasil, e com o decreto da Abertura dos Portos às Nações Amigas. No império começaram a chegar inúmeros naturalistas, entre eles Auguste Saint-Hilaire e os austríacos Spix e Martius que coletaram vastas informações sobre a botânica amazonense. Mas o imperador D. Pedro II, apesar das pressões internacionais, negou-se, pelo menos até 7 de setembro de 1867, a liberar a navegação do grande rio aos estrangeiros, tarefa que desde 1853 estava ao encargo de uma empresa do Barão de Mauá. Três anos antes, em 1850, a região, numa outra reforma administrativa, criara-se a Província do Amazonas, separando-a do Grão-Pará, tendo Manaus como sua capital.





Saiba mais

Buscas relacionadas a Amazônia em Geografia.


[ Pesquisa escolar lida 28469 Vezes - Categoria: Geografia ]


Leia também! Assuntos relevantes.

Primeiros produtos exportados pelo Brasil
Ao longo da história do Brasil, o país exportou vários produtos. O primeiro produto retirado do Brasil e enviado para ser comercializado no exterior f...
Lido: 3801 Vezes

Mercantilismo
A doutrina e a política mercantilista situam-se numa fase histórica precisa: a do capitalismo mercantil, etapa intermediária entre o esfacelamento da ...
Lido: 44800 Vezes

Todas as Datas Comemorativas do Brasil
JANEIRO 01 Dia da Confraternização Universal Dia Mundial da Paz 03 Dia Nacional da Abreugrafia Dia do Hemofílico Dia da Criação da 1ª Tipogr...
Lido: 93723 Vezes

História da Educação no Brasil
A história da educação no Brasil começou com a colonização e a vinda dos portugueses para o país. O processo educacional do Brasil teve início com a C...
Lido: 199 Vezes

Copa do Mundo no Brasil em 2014
O maior campeão de futebol da história das Copas do Mundo tenta se organizar para sediar pela segunda vez o torneio. A escolha do Brasil se deve a um ...
Lido: 11565 Vezes

A Vinda da Família Real ao Brasil em 1808
Principais fatores que contribuíram para a vinda da Família Real Portuguesa ao Brasil No final do século XVIII e início do século XIX, Inglaterra e F...
Lido: 60455 Vezes

IDH no Brasil e no Mundo
O IDH é o Índice de Desenvolvimento Humano. Essa é uma medida que compara o crescimento humano de um país e os separa entre países desenvolvidos, em d...
Lido: 7117 Vezes

Brasil Hoje
O Brasil vive uma situação de pleno desenvolvimento. As condições de vida da população apresentaram uma melhora significativa nos últimos dez anos, mu...
Lido: 1512 Vezes

Efeitos do Aquecimento Global no Brasil
Consequências do Aquecimento Global no Brasil É uma luta na qual não estamos preocupados. Todos falam para fazer algo contra o aumento da temperatura...
Lido: 19681 Vezes

Drogas - O problema do crack no Brasil
Uma pesquisa da Universidade Federal de São Paulo mostrou que o Brasil é o maior mercado mundial do crack. O levantamento foi feito pelo Instituto Nac...
Lido: 5317 Vezes

Sugestão de Busca Escolar

Sites

Encceja
Enem
SISU
Prouni
FIES
Relacionamento

Fale Conosco
Feed / RSS

Comunidade no Google +
Comunidade no Twitter


Novidades no seu e-mail

Estudantes Online
Sobre o Grupo Escolar

GrupoEscolar.com - Todos direitos reservados

Todo o conteúdo do site é retirado da internet e/ou enviado pelos estudantes.

Caso algum conteúdo infrinja direitos autorais entre em contato que adicionaremos crédito ou retiraremos o mesmo.

As opiniões expressas nos textos são de responsabilidade dos seus autores.

Somos apenas um veículo de comunicação e não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.