A Nomenclatura Científica

A Nomenclatura Científica

Por

Em cada um dos idiomas existentes, os seres vivos receberam nomes, formando uma coletânea de muitos milhares de denominações, impossíveis de serem conhecidas no mundo todo. Esse fato mostrou a necessidade de se padronizar todos os nomes dos seres vivos de modo que a denominação de qualquer um deles seja entendida em qualquer língua.

Após várias tentativas, em 1758, Karl von Linnë, botânico e médico sueco, propôs as regras de uma nomenclatura binominal que serviram de base para o sistema ainda hoje utilizado.

Essas regras foram adotadas em 1901 e revistas em 1927 e 1961.


As principais regras são:
-> Todo nome científico deve ser latino de origem ou, então, latinizado. Ex: Trypanosoma cruzi

-> Em obras impressas, todo nome científico deve ser escrito em itálico (letra fina e inclinada). Em trabalhos manuscritos ou datilografados, na impossibilidade de se usar o itálico, esses nomes serão grifados. Ex: Zea mays ou Zea mays (milho)

-> Cada organismo deve ser reconhecido por uma designação única binominal, onde o primeiro nome indica o gênero a que ele pertence, e o segundo nome indica a sua espécie em particular. Ex: Oryza sativa - arroz Phaseolus vulgaris - feijoeiro

-> O nome relativo ao gênero deve ser um substantivo simples ou composto, escrito com inicial maiúscula. O nome relativo à espécies deve ser um adjetivo, escrito com inicial minúscula. Ex: Homo sapiens

-> Os nomes de família levam, em zoologia, a terminação idae (ide, com e aberto) e, em botânica, a terminação aceae (acee, com o segundo e aberto). Ex: o cão e o lobo são da família Canidae. o coqueiro e as palmeiras são da família Palmaceae.



Fonte: http://www.aprendaki.webcindario.com/textos/classificacao.htm
Autor: Amara Maria Pedrosa Silva
Licença: Creative Commons License

Leia também! Assuntos relevantes