A Importância da Camada Superficial de Solos para a Sociedade Brasileira


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


A Importância da Camada Superficial de Solos para a Sociedade Brasileira

Por Álvaro Rodrigues dos Santos

Talvez não exista no âmbito da Geologia de Engenharia e da Agronomia recomendação técnica mais simples, clara e de tamanha importância para as atividades humanas no meio rural e no meio urbano como a de conservar intacta a camada de solos superficiais, evitando removê-la ou revolvê-la.

Via de regra, a camada superficial de solos (horizonte B agronômico - algo na faixa de 0,5 a 2,0 metros de espessura) tem uma composição bem mais argilosa em relação aos horizontes inferiores (solo residual e solo saprolítico – horizonte C agronômico), o que lhe confere uma coesão entre partículas muito maior, tornando-a, por conseguinte, mais resistente aos processos erosivos de superfície.

É interessante a explicação do motivo pelo qual há mais minerais argilosos na proximidade da superfície dos terrenos. Os minerais das rochas primárias (magmáticas ou metamórficas) foram formados em condições extremas de temperatura e pressão. Ou seja, são ambientalmente compatíveis com essas condições extremas, e, portanto, francamente desarmônicos com as condições ambientais hoje vigentes na superfície do planeta. O processo de alteração de uma rocha é assim um processo que caminha na produção de novos minerais, mais compatíveis com o meio-ambiente da superfície. Desses novos minerais, os mais equilibrados com esse novo ambiente são os minerais argilosos.

Além do intemperismo (desagregação e alteração físico-química dos minerais da rocha) são também importantes na formação dos solos superficiais dois outros processos. A pedogênese, que envolve a alteração bio-química dos minerais, e a laterização, que implica na migração de íons no interior do solo. Ambos estes processos colaboram com a produção de argilo-minerais e com a cimentação das partículas por diversas classes de óxidos, o que contribui também para a forte ligação entre as partículas desses solos.

Em decorrência desses fatores formacionais, os solos superficiais chegam a ser 30 (trinta) vezes mais argilosos do que os solos das camadas inferiores. E até mais de 100 (cem) vezes mais resistentes à erosão.

Além da erosão, no meio rural o contínuo revolvimento dos solos superficiais, a não adoção de técnicas conservacionistas de cultivo como as curvas de nível, a rotação de culturas, o plantio direto, faz com que sejam lixiviados (carreados por percolação interna de água) e removidos os principais elementos nutritivos desses solos, tornando-os progressivamente estéreis para a agricultura, deficiência em parte somente compensada com expressivos gastos em fertilizantes, corretivos e defensivos agrícolas.

Do ponto de vista econômico, os processos erosivos rurais e urbanos incidem em prejuízos da ordem de bilhões de dólares/ano para a sociedade brasileira. No Brasil, a perda média de solos por erosão superficial nas áreas rurais utilizadas pela agricultura e pela pecuária está estimada em torno de 25 toneladas de solo por hectare/ano, ou seja, algo em torno de 1 bilhão de toneladas de solo perdidas anualmente, e que, agudizando o desastre, promovem o intenso assoreamento de cursos d’água, lagos e várzeas. Na área urbana o problema não é menor. Na Região Metropolitana de São Paulo, por exemplo, a perda média de solos por erosão está estimada em algo próximo a 15 toneladas de solo por hectare/ano, decorrendo problemas fantásticos para a infra-estrutura urbana, com especial destaque colaborando para os gravíssimos fenômenos de enchentes. No caso urbano, o principal fator de remoção da camada superficial de solos está na problemática cultura da terraplenagem, implementada de forma intensa, extensa e despropositada nas frentes de expansão urbana, via de regra removendo por completo os solos superficiais e expondo à erosão os solos mais erodíveis das camadas inferiores.

Os prejuízos para a sociedade brasileira advindos da remoção e do revolvimento dos solos superficiais no meio rural e urbano são de tal monta que estão a exigir e inspirar uma verdadeira cruzada tecnológica por sua preservação, a ser promovida pelo Poder Público de todos os níveis e pelos empreendimentos privados diretamente envolvidos com o problema. Certamente, a primeira iniciativa neste sentido caberá ao meio técnico-científico brasileiro.



-O Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos ( santosalvaro@uol.com.br ) é autor, dentre outros, do livro: A Grande Barreira da Serra do Mar: da trilha dos Tupiniquins à Rodovia dos Imigrantes de Álvaro Rodrigues dos Santos

-Ex-Diretor da Divisão de Geologia e Ex-Diretor de Planejamento do IPT

-Consultor em Geologia de Engenharia e Geotecnia



Fonte:
http://ivairr.sites.uol.com.br/camadasuperficial.htm





Saiba mais

Buscas relacionadas a A Importância da Camada Superficial de Solos para a Sociedade Brasileira em Geografia.


[ Pesquisa escolar lida 14540 Vezes - Categoria: Geografia ]


Leia também! Assuntos relevantes.

Áreas de estudo da Geologia
Geofísica - reconhece as propriedades físicas da Terrra. Por exemplo, estudando o campo magnético terrestre intensidade, configuração e variação), o f...
Lido: 11727 Vezes

Quais são os elementos que compõem o solo?
O solo é uma parte fundamental para a vida no planeta Terra. Essa é a área responsável pela produção de alimentos e é onde o homem vive de forma mais ...
Lido: 1646 Vezes

Clima, Agricultura e Economia do Continente Europeu
A Europa é um dos continentes mais ricos do mundo. A região compreende a península ocidental da Eurásia, e é limitada pelo Oceano Glacial Ártico, pelo...
Lido: 12547 Vezes

Alimento versus calorias
Desde que a humanidade existe - pode recuar bastante, ao tempo do Australopitecus, por exemplo - que o organismo animal está adaptado à relação matemá...
Lido: 13515 Vezes

Usos do Solo
Chamamos de solo vegetal a camada que, em determinadas regiões, reveste a superfície da Terra e é rica em elementos nutritivos. Desta amada dependemos...
Lido: 23109 Vezes

Agricultura no Norte do Brasil
A região norte do Brasil é formada por sete estados: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Com clima predominantemente equatoria...
Lido: 40342 Vezes

Geologia
O que é a Geologia? Geologia é a ciência que estuda a Terra. Parece muito amplo, não? E realmente é, trata-se de uma das mais abrangentes ciência...
Lido: 7967 Vezes

Entenda a crise dos alimentos
A recente alta nos preços dos produtos agrícolas foi motivada por uma série de fatores conjugados e se tornou uma crise mundial. O maior temor, além d...
Lido: 8452 Vezes

Plantas transgênicas na agricultura
Relatório preparado sob os auspícios da Royal Society de Londres, Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, Academia Brasileira de Ciências, A...
Lido: 17349 Vezes

Agricultura no Sul do Brasil
A região Sul é a menor das 5 regiões brasileiras, mas nem por isso deixa de ser economicamente importante para o país. Na região sul, o clima predomin...
Lido: 41754 Vezes

Estudantes Online | Fale Conosco | Feed / RSS | Google + | Twitter |

Novos assuntos sobre educação no seu e-mail

Site destinado a educação, informação e pesquisa escolar. Não incentivamos a prática de trabalhos escolares prontos.

Sendo um veículo de comunicação, não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.

Cópia de conteúdo somente se citada a fonte.

© 2014 - Grupo Escolar - Todos direitos reservados