A Guerra de Independência


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


A Guerra de Independência

Raramente ouvimos falar das lutas por nossa independência. Parece que tudo ocorreu de forma pacífica, e o pior, sem a participação do povo. É verdade que, o Partido Brasileiro foi muito hábil em conduzir nossa independência, sem a participação popular nas principais decisões. É verdade que, mesmo ficando independente de Portugal, nosso governante seria o filho do rei dessa mesma nação. E é verdade também que, as lutas por nossa independência não foram tão violentas e longas como aconteceram com os nossos vizinhos latino-americanos, mas não podemos deixar de lado, a participação da população brasileira, mesmo que, essa independência não tenha significado liberdade e igualdade sociais para a maioria do povo brasileiro.

Desde a transferência da corte portuguesa para o Brasil, em 1808, o clima nas forças militares era de competição. No Exército, enquanto os portugueses ocupavam os postos mais altos, os brasileiros ficavam com os mais baixos. Acusações ocorriam dos dois lados: os brasileiros acusavam os portugueses de autoritários e arrogantes e os mesmos acusavam os brasileiros de despreparados. Na Marinha a situação era pior, pois, praticamente todos os postos eram ocupados por portugueses.

Quando a Revolução do Porto aconteceu e mostrou seus reais interesses em relação ao Brasil e D. João teve que voltar a Portugal, a insubordinação explodiu, com os brasileiros não aceitando as ordens dos oficiais portugueses, e esses recusando a aceitar as ordens do príncipe-regente D. Pedro.

Após o Dia do Fico, em 19 de janeiro de 1822, iniciou-se a formação de um Exército brasileiro, mas a desconfiança na qualificação militar e na sua lealdade provocaram a contratação de mercenários para ajudar nas lutas de terra e mar. Rapidamente chegaram os oficiais estrangeiros com seus comandados. Entre eles, os ingleses Lord Cochrane, John Taylor e John Grenfell; o francês Pedro Labatut e o português Carlos Lecor. Após o 7 de setembro, as lutas pela independência ocorreram onde a presença lusitana era maior: Bahia, Grão-Pará, Maranhão e Cisplatina.


Bahia
Com a Revolução do Porto, a população da Bahia dividiu-se, e os conflitos entre brasileiros (contra a recolonização) e portugueses (à favor da recolonização) aumentaram. Quando as Cortes portuguesas nomearam o general português, Madeira de Melo, para governar a província os conflitos armados tiveram início. A partir de 14 de fevereiro de 1822, "A cidade vira um grande campo de batalha. Brasileiros e portugueses buscam controlar seus pontos estratégicos, usando de extrema violência. Na perseguição a um grupo de brasileiros, soldados portugueses invadem o convento da Lapa, assassinando a abadessa Joana Angélica, que heroicamente o defendia."

Após cinco dias de combate, os portugueses anunciaram o controle de Salvador, enquanto os brasileiros comandados por Manuel Pedro se refugiaram na região do Recôncavo Baiano. Com o apoio de latifundiários, organizaram-se os batalhões patrióticos, formados por combatentes da capital e do interior da Bahia. Destacou-se então, a baiana Maria Quitéria, moradora de Feira de Santana que alistou-se nos batalhões patrióticos. Lutando corajosamente contra o machismo, existente na época, e os portugueses, obteve o posto de cadete e após a guerra recebeu das mãos do imperador a comenda da Ordem Imperial do Cruzeiro do Sul.

Em 22 de setembro de 1822, teve início a reviravolta. Na Câmara Municipal de Cachoeira foi proclamada a independência, instalando-se um governo paralelo. Enviados por D. Pedro, os brasileiros foram auxiliados pelo general Labatut e o almirante Lord Cochrane cercando a cidade de Salvador, impossibilitando-a de receber alimentos e munições. Em abril de 1823, a situação de Salvador era dramática, faltavam alimentos e as doenças matavam os mais fracos. Em 2 de julho de 1823, o general Madeira de Melo entregou sua rendição. Os brasileiros haviam libertado a Bahia e garantiam a independência.



Grão-Pará
A Revolução do Porto também provocou reações contraditórias na província do Grão-Pará.

Inicialmente, portugueses e brasileiros se uniram com a decisão das Cortes de criar uma monarquia constitucional, porém, quando as Cortes decidiram recolonizar o Brasil, o padrão de reação se repetiu:

brasileiros contra as decisões das Cortes, de um lado, e portugueses, à favor das Cortes, de outro. Em abril de 1823 chegou de Portugal, o brigadeiro José Maria de Moura, para governar a província. Em 1º de março, os primeiros combates tiveram início, porém as tropas portuguesas reagiram com violência. Várias pessoas morreram e foram feridas e 267 foram presas.

Em agosto de 1823, D. Pedro I enviou para Belém, um navio comandado por Grenfell. Usando de astúcia anunciou que, uma grande esquadra estaria chegando à Belém e que, qualquer resistência por parte dos portugueses seria inútil. Com medo da ameaça, os portugueses não reagiram e a província de Grão-Pará se incorporou ao Império do Brasil, em 12 de outubro de 1823.

Contudo a mentira não durou muito. Como a esquadra não chegava, os portugueses reiniciaram as perseguições aos simpatizantes da independência. A violência iniciada pelos portugueses foi revidada com mais violência pelos brasileiros. Grenfell resolveu agir para acabar com os confrontos e convocou a população para uma reunião, em frente ao palácio do governo. Com a população reunida, escolheu cinco soldados ao acaso, e mandou executá-los. Depois prendeu 256 militares no porão de um navio, onde morreram sem ar e sem água. Assim, Grenfell apaziguou a província.


Maranhão
A província do Maranhão era também uma região com forte presença de portugueses. Por isso, ao saber da independência, se colocou contrária a ela. Apesar disso, lentamente os brasileiros foram conquistando o apoio de várias cidades e povoados maranhenses, e aos poucos, os portugueses foram ficando isolados. Contudo, a capital, São Luís, permanecia controlada pelos portugueses. Enviada pelo Rio de Janeiro, uma frota comandada por Lord Cochrane aproximou-se de São Luís fingindo ser um reforço português. Conchrane conseguiu desembarcar seus homens e aprisionou alguns chefes militares portugueses. Usando-os como reféns, conseguiu conquistar o controle da cidade. No final de agosto de 1823, o Maranhão se incorporava ao Império.



Cisplatina
Ocupada desde 1816 pelas forças de D. João, a Banda Oriental foi rebatizada como Cisplatina. Após a independência, a disputa entre tropas brasileiras e portuguesas pela posse da região começaram. Comandadas pelo português Carlos Lecor que, resolveu apoiar D. Pedro, as tropas brasileiras tiveram que recuar para o Rio Grande do Sul, pois, os portugueses, chefiados por D. Álvaro da Costa, conseguiram controlar Montevidéu, capital da província. Reunindo 1800 homens, Lecor contra-atacou. Cercando Montevidéu, as tropas portuguesas, formadas por 2000 homens resistiram bravamente. Contudo, a chegada de três navios, comandados por David Jewett, começaram a desequilibrar as ações. Em 18 de novembro de 1823, os brasileiros tomaram a cidade e moveram a Cisplatina unida ao Império.



BIBLIOGRAFIA
A Independência
FAUSTO, Boris. História do Brasil. 4.ed., São Paulo: Editora Universidade de São Paulo, 1996.

MENDES Jr., Antônio et. alii. Brasil História, Texto e Consulta.Vol.2. 6.ed., São Paulo: Hucitec,1988.

MOTA, Carlos Guilherme & LOPEZ, Adriana. Brasil Revisitado: palavras e imagens. São Paulo: Rios, 1989.

SILVA, Arlenice Almeida da. As Guerras da Independência. São Paulo: Editora Ática, 1995.

TEIXEIRA, Francisco M. P. e TOTINI, Maria Elizabeth. História econômica e a administrativa do Brasil. 3.ed., São Paulo: Ática, 1993.



Fonte do documento:
http://www.geocities.com/Area51/Realm/3377/indep.doc





Saiba mais

Buscas relacionadas a A Guerra de Independência em História.


[ Pesquisa escolar lida 28099 Vezes - Categoria: História ]


Leia também! Assuntos relevantes.

Maria Quitéria
Maria Quitéria: uma heroína brasileira Raramente ouvimos falar das lutas por nossa independência. Parece que tudo ocorreu de forma pacífica, e o p...
Lido: 9289 Vezes

História do Brasil - Os nomes do Brasil
Os nomes do Brasil * Pindorama (nome Índigena) * Ilha de Vera Cruz (1500) * Terra Nova (1501) * Terra dos Papaguaios (1501) * Terra de ...
Lido: 8493 Vezes

Invasão da Bahia (1624-1625)
No dia 10 de maio de 1624, a Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais, sigla WIC, desembarcou na Bahia, trazendo um efetivo de cerca de 1700 homens...
Lido: 5209 Vezes

A Independência do Brasil
Processo de Independência do Brasil O processo de independência do Brasil teve início em 1808, quando a família real portuguesa veio para a colônia f...
Lido: 10735 Vezes

Companhia de Comércio - História do Brasil
Companhias mercantis organizadas pelos Estados colonialistas para aumentar a produção, enfrentar melhor a concorrência estrangeira e tornar mais efici...
Lido: 10601 Vezes

História do Brasil - Brasil 500 Anos
Brasil - 500 Anos Em 1992, por ocasião dos 500 anos de viagem de Colombo, ouve intenço e extenso debate nas Américas e na Europa sobre o vocabulário ...
Lido: 11172 Vezes

A Balaiada (1838-1841) - Maranhão
A Balaiada foi uma importante revolta popular que explodiu na província do Maranhão, entre os anos de 1838 a1841. Nessa época, a economia agr...
Lido: 119788 Vezes

Ciclo do Café - História do Brasil
As primeiras mudas e sementes de café chegam ao Brasil no século XVIII, por volta de 1730, vindas da América Central e das Guianas. Mas é só a partir ...
Lido: 21604 Vezes

História do Brasil - Pedro Álvares Cabral
Pedro Alvares Cabral chega ao Brasil Em 1500, o rei de Portugal D. Manuel, organizou uma poderosa esquadra com dez naus, duas caravelas e 1.500 homen...
Lido: 20447 Vezes

Comidas típicas do Maranhão
O Maranhão tem uma culinária tradicional muito deliciosa e saudável, que tem como base os peixes frescos, temperos naturais, pimentão, entre outros in...
Lido: 1072 Vezes

Estudantes Online | Fale Conosco | Feed / RSS | Google + | Twitter |

Novos assuntos sobre educação no seu e-mail

Site destinado a educação, informação e pesquisa escolar. Não incentivamos a prática de trabalhos escolares prontos.

Sendo um veículo de comunicação, não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.

Cópia de conteúdo somente se citada a fonte.

© 2014 - Grupo Escolar - Todos direitos reservados